Monday, August 12, 2019

Destiny or choice? It is all up to you * Destino o scelta? Dipende solo da te * Sors vagy választás? Csak rajtad múlik * Destino ou escolha? Tudo depende de você.

per il testo italiano scorri in basso
görgess lejebb a magyar verzióért

Para versão em português, role para baixo


Destiny or choice? It is all up to you

by Kass Thomas

I had a déjà vu. When I arrived home in Rome at the end of July – after two months of travel and working really hard – I was super excited to start a month-long journey with my husband, having some ease, joy and glory together. V-A-C-A-T-I-O-N! 

The last time we had so much time together was in the Spring of this year. Right before Easter, I reached home really looking forward to a 7-week journey with him. Our plan was to have 10 days in Rome and then travel to South Africa on safari for two weeks to celebrate our first 20 years of marriage.

This time, in August, our plan was to stay in Italy and enjoy this Italian lifestyle vacation: having fun in Rome with friends, before heading to the seaside to play tennis and hang out with the family a bit and go everyday to the beach together. 

What do you know about projections and expectations? 
Do we allow them to lead us down the road of separation, judgment and rejection?

Last time, in the Spring, on my first day home, we went on a motorbike ride in the morning through Rome. It’s called “a Roman ride”. Then my hubby went off to play tennis in the afternoon and we had planned an evening “Roman ride” later that day. The best-laid plans...

Instead of going out on an evening ride as planned, he came home in pain and was blocked on the couch with an ice pack on his right calf. He had hurt his leg while playing tennis. Oops! He went for two or three echographies and finally we discovered that what they had originally diagnosed as a pulled muscle turned out to be a venal thrombosis. This prevented him from being able to travel by plane for two months.

So, we had to cancel our anniversary trip to South Africa. No safari, no vacation. It was seven long weeks of nervousness and fear about the vein causing a cardiac arrest and perhaps killing him. Thankfully, that worked out well: he didn’t die, and now that venal thrombosis is gone. 

This time, 3 months later, hubby was playing tennis, as my flight was landing in Rome. Our plan was that he would finish playing, stop to pick up some goodies for dinner, and get home in time to meet me with some fresh fish and yummy Italian white wine – the perfect way to celebrate the beginning of our Summer vacation together in our beautiful garden. We had dinner, alright, that’s a given in Italy, but it was not exactly what we expected.

You see, he got home a little later than expected, not because he had stopped to pick up something for dinner, but because he had spent an hour in the locker room at the tennis club with an ice pack on his ankle. He had twisted the ankle on his left leg. He spent the next few days busy trying to squeeze in an appointment for an echography.

That first night home, as I was putting ice on his ankle, I was EXHAUSTED, and he was in PAIN and SAD and CRANKY.

Let’s just say it was not exactly the start to the vacation that we were anticipating.

We started remembering last summer when he had a similar situation, during our vacation together in August at the seaside. He had been playing tennis and got an ankle injury, and had a few weeks of pain and suffering. We actually had to cut our vacation short.

That memory lead us to other memories. I remembered our very first vacation together, over 20 years prior, when I was still living in New York. Before getting on the plane to come see me, he hurt himself and came to New York limping with crutches!!! He too began remembering other times when his ankle or leg had been hurt around vacation time. 

Hmmmm. Were we noticing a pattern here or were we feeding the fires of drama and trauma?

It’s so interesting how we start going back over the past, compiling data to come up with a decision: maybe vacation together is not such a healthy idea.

The funny thing is, this is not about me. Where is he in the equation? He is the one suffering, and all I could think about in those 10 seconds during that first night home was “WHY ME?“ 

Take a deep breath and count to ten.

The next morning, thanks to my positive nature, my years of living as the question and working with the tools of Access Consciousness, and, let’s face it, a good night's sleep, we started off on a different foot, no pun intended.

I also (finally!) started using the tools of Access and asking lots of questions and opening up some different possibilities.

I did some energetic body work on his ankle, and, since he is admittedly an alchemist with his body, he started shifting stuff too in his mind and then body. 

I asked these questions:
“What is right about this that I am not getting?”
“What is the lesson here?”
“What about him?”
“What energy, what space, what consciousness and what choice can I be and engage, that will create more here?”
“What if I was willing to go with the flow and truly allow ALL of life to come to me with ease and joy and glory?”
“Would that speed up the recovery? Or eliminate the drama and pain?”

It is so interesting how future projections can lead us down a road of blame, shame, regret, and guilt when it doesn’t turn out as we expect...

These are all the ways we are distracting ourselves from living in the present moment and moving forward and creating more, no matter what.

Is it our point of view, our perspective, that creates the reality that we live?
Do we allow our projections and expectations to influence how we see the world and live our lives?
Are we willing to always look on the bright side of life no matter what manifests in our lives?
Can we simply be grateful that we are still alive and able to have a perspective?  

It truly is just a choice.


***



Destino o scelta? Dipende solo da te

di Kass Thomas

Ho avuto un déjà vu. Quando sono tornata a casa a Roma alla fine di luglio - dopo due mesi di viaggio e di duro lavoro - ero molto emozionata di dare inizio a un viaggio di un mese con mio marito, con un po 'di tranquillità, gioia e gloria insieme. V-A-C-A-N-Z-A!

L'ultima volta che abbiamo trascorso così tanto tempo insieme è stato nella primavera di quest'anno. Proprio prima di Pasqua, sono arrivata a casa pregustando già un viaggio di 7 settimane con lui. Il nostro piano era di passare 10 giorni a Roma e poi andare in Sudafrica per due settimane di safari per celebrare i nostri primi 20 anni di matrimonio.

Questa volta, ad agosto, il nostro piano era di restare in Italia e goderci questa vacanza in stile italiano: divertirci a Roma con gli amici, prima di andare al mare a giocare a tennis e uscire un po‘ con la famiglia e andare tutti i giorni in spiaggia insieme .

Cosa sai riguardo a proiezioni e aspettative?
Permettiamo loro di guidarci lungo la strada della separazione, del giudizio e del rifiuto?

L'ultima volta, in primavera, il mio primo giorno a casa siamo andati a fare un giro in moto in città. Si chiama "un giro per Roma". Poi nel pomeriggio mio marito è andato a giocare a tennis e avevamo programmato un “giro per Roma" più tardi in serata. I piani migliori ...

Invece di uscire per un giro serale come previsto, è tornato a casa dolorante ed è stato bloccato sul divano con un impacco di ghiaccio sul polpaccio destro. Si era fatto male alla gamba mentre giocava a tennis. Ops! Ha fatto due o tre ecografie e alla fine abbiamo scoperto che ciò che avevano diagnosticato inizialmente come uno stiramento si è rivelato essere una trombosi venosa. Ciò gli ha impedito di salire su un aereo per due mesi.

Quindi, abbiamo dovuto annullare il nostro viaggio di anniversario in Sudafrica. Nessun safari, nessuna vacanza. Sono state sette lunghe settimane di nervosismo e paura per la vena avrebbe potuto causare un arresto cardiaco e forse ucciderlo. Per fortuna, è andata bene: non è morto e ora la trombosi venosa è sparita.

Questa volta, 3 mesi dopo, mio ​​marito stava giocando a tennis, mentre il mio volo stava atterrando a Roma. Il nostro piano era che avrebbe finito di giocare, si sarebbe fermato a prendere delle prelibatezze per cena e sarebbe tornato a casa in tempo per incontrarmi con un po’ di pesce fresco e buon vino bianco italiano - il modo perfetto per festeggiare insieme l'inizio delle nostre vacanze estive nel nostro bel giardino. Abbiamo cenato, sì, è un dato di fatto in Italia, ma non era esattamente come ci aspettavamo.

Vedi, è tornato a casa un po’ più tardi del previsto, non per essersi fermato a prendere qualcosa per cena, ma perché aveva trascorso un'ora nello spogliatoio del circolo di tennis con un pacco di ghiaccio sulla caviglia. Si era storto la caviglia della gamba sinistra. Ha trascorso i giorni seguenti occupato a cercare di ottenere un appuntamento per un'ecografia.

Quella prima notte a casa, mentre gli stavo mettendo il ghiaccio sulla caviglia, ero ESAUSTA, e lui era nel DOLORE e TRISTE e IRRITABILE.

Diciamo solo che non era esattamente l'inizio della vacanza che stavamo aspettando.

Abbiamo iniziato a ricordare l'estate scorsa quando c’era stata una situazione simile, durante la nostra vacanza insieme ad agosto al mare. Stava giocando a tennis e si era infortunato alla caviglia e aveva avuto qualche settimana di dolore e sofferenza. In realtà abbiamo dovuto accorciare le vacanze.

Quel ricordo ci ha portato ad altri ricordi. Mi è tornata in mente la nostra prima vacanza insieme, più di 20 anni prima, quando vivevo ancora a New York. Prima di salire sull'aereo per venire a trovarmi, si era fatto male ed è arrivato a New York zoppicando con le stampelle!!! Anche lui iniziò a ricordare altre volte in cui si era infortunato la caviglia o la gamba durante le vacanze.

Hmmmm. Stavamo notando uno schema o stavamo alimentando i fuochi del trauma e dramma?

È così interessante come iniziando a guardare indietro nel passato, completiamo i dati per arrivare a una decisione: forse andare in vacanza insieme non è un'idea così salutare.

La cosa divertente è che non riguarda me. Dov'è lui nell'equazione? Lui è l'unico a soffrire, e tutto ciò a cui ho potuto pensare in quei 10 secondi durante quella prima notte a casa era "PERCHÉ PROPRIO A ME?"

Fai un respiro profondo e conta fino a dieci.

La mattina seguente, grazie alla mia natura positiva, gli anni passati nella domanda e lavorando con gli strumenti di Access Consciousness, - e, diciamocelo, una buona notte di sonno - siamo ripartiti con un piede diverso, senza gioco di parole.

Inoltre (finalmente!) Ho iniziato a utilizzare gli strumenti di Access, facendo molte domande e aprendo alcune diverse possibilità.

Ho fatto un po‘ di lavoro energetico sulla sua caviglia e, dato che è certamente un alchimista con il suo corpo, ha iniziato a cambiare qualcosa nella sua mente e poi anche nel corpo.

Ho fatto queste domande:
"Cosa c'è di giusto in questo che non sto vedendo?"
"Qual è la lezione qui?"
“Cosa riguardo lui?"
"Quale energia, spazio e consapevolezza e quale scelta posso essere e ingaggiare, che creerà di più qui?"
"E se fossi disposta a scorre con il flusso e permettere davvero a TUTTA la vita di venire a me con facilità, gioia e gloria?"
“Questo potrebbe accelerare la ripresa? O eliminare il dramma e il dolore?"

È così interessante come le proiezioni sul futuro possano condurci lungo una strada di colpa, vergogna, rimpianto e rimorso quando non si mostra come ci aspettiamo...

Questi sono tutti modi in cui ci stiamo distraendo dal vivere nel momento presente e andare avanti e creare di più, qualunque cosa accada.

È il nostro punto di vista, la nostra prospettiva, che crea la realtà in cui viviamo?
Permettiamo alle nostre proiezioni e aspettative di influenzare il modo in cui vediamo il mondo e viviamo le nostre vite?
Siamo disposti a guardare sempre il lato positivo della vita, qualunque cosa si manifesti nella nostra vita?
Possiamo semplicemente essere grati di essere ancora vivi e in grado di avere una prospettiva?

È davvero solo una scelta.


***


Sors vagy választás? Csak rajtad múlik.
Írta: Thomas Kass

Dézsa vum volt. Amikor visszaérkeztem Rómába július végén, két hónap utazás és kemény munka után, nagyin izgatott voltam, hogy elkezdjem az egy hónapos kalandunkat a férjemmel, és könnyed, örömteli és ragyogó napjaink legyenek együtt. V-A-K-Á-C-I-Ó

Amikor utoljára ilyen sok időnk volt együtt, az idén tavasszal volt. Pont húsvét előtt érkeztem haza és nagyon vártam a 7-hetes kalandunkat. Az volt a tervünk, hogy 10 napot töltünk Rómában, utána elutazunk Dél-Afrikába két hétre szafarira, hogy megünnepeljük a 20 éves házassági évfordulónkat.

Most augusztusban az volt a tervünk, hogy Olaszországban maradunk és élvezzünk a vakációt olasz módra: bulizunk Rómában a barátainkkal, előtte lemegyünk a tengerpartra teniszezni, lógunk a családdal kicsit és minden nap együtt elmegyünk a tengerpartra.


Mit tudunk a kivetítésről és az elvárásról?
Megengedjük, hogy elvezessenek minket az elkülönülés, ítélkezés és visszautasítás ösvényére?


Legutóbb tavasszal, az első napomon otthon, Rómán keresztüli motoros túrára mentünk délelőtt. “Római túrá”-nak hívják. Ezután a férjecském elment teniszezni délután és estére is terveztünk egy “Római túrát”. A legjobban lefektetett tervek…


Ahelyett, hogy elmentünk volna az esti túrára, ahogy terveztük, a férjem fájdalommal jött haza és a kanapéra volt szegezve egy jégtasakkal a jobb vádliján. Tenisz közben sérült meg a lába. Hoppá. Elment kettő vagy három ultrahangra és végül, amit először izom húzódásnak diagnosztizáltak, kiderült, hogy vénás trombózis volt. Emiatt nem repülhetett két hónapig.

Igy le kellett mondani az évfordulós utazásunkat Dél-Afrikába. Nem volt szafari, nem volt nyaralás. Hét hosszú hét idegeskedés és félelem volt, hogy a véna netán szívrohamot okoz, és talán megöli őt. Szerencsére, jól alakult: nem halt meg, és a vénás trombózis is megszűnt.

Most, 3 hónappal később a férjecském teniszezett, amikor a gépem leszállt Rómában. A tervünk az volt, hogy amikor befejezni a játékot, hazafelé megáll útközben finomságokért, és időben hazaér, hogy találkozzon velem, friss hallal és fincsi olasz borral- tökéletes módja, hogy együtt megünnepeljük a nyári vakációnk kezdetét a gyönyörű kertünkben. Megvacsoráztunk, igen, ez természetes Olaszországban, de nem teljesen úgy, ahogy számítottunk rá.

Az történt, hogy kicsit később ért haza, mint amire számítottam, nem azért mert megállt venni valamit vacsorára, hanem mert eltöltött néhány órát a tenisz klub öltözőjében egy jégtasakkal a bokáján. A bal lábán kifordult a bokája. A következő pár napot azzal töltötte, hogy bepaszírozzon egy időpontot ultrahangra.

Az első éjszaka, amikor jeget tettem a bokájára, teljesen KIMERÜLT voltam, neki FÁJDALMAI voltak, SZOMORÚ volt és MORGOTT.

Csak annyit mondok, hogy nem pontosan így terveztük elkezdeni a vakációt.


Elkezdtünk visszaemlékezni tavaly nyárra, amikor hasonló helyzetbe kerültünk a nyaralásunk alatt augusztusban a tengerparton. A férjem teniszezett, megsérült a bokája, és pár hét fájdalom és szenvedés következett. A nyaralásunkat is le kellett rövidítenünk miatta.

Ez az emlék visszavezetett minket más emlékekhez. Emlékszem a legelső nyaralásunkra együtt, ami több mint 20 évvel korábban volt, amikor még New York-ban éltem. Mielőtt felszállt a repülőre, hogy meglátogasson engem, megsérült, és mankókkal bicegve jött New York-ba.

Hmm. Észrevesztek egy mintát itt vagy a dráma és trauma tüzét tápláljuk vele?

Nagyon érdekes hogyan kezdünk el visszamenni a múltba, összegyűjteni az adatokat és előállni egy döntéssel: lehet, hogy az együtt töltött nyaralás nem is olyan egészséges ötlet.

A vicces az, hogy ez nem is rólam szól. Hol van ő az egyenletben? Ő az, aki szenved, és minden, amire gondolni tudtam az a 10 másodperc az első este otthon, amikor azt kérdeztem: “MIÉRT ÉN”?

Vegyél egy mély lélegzetet és számolj tízig.

A következő reggel, köszönhetően a pozitív személyiségemnek, az éveknek, melyekben kérdésként éltem és az Access Consciousness eszközeinek, és nézzünk szembe vele, és a jó alvásnak, másik lábbal keltünk, minden szójáték nélkül.

Ezenkívül (végül!), elkezdtem használni az Access eszközöket és nagyon sok kérdést tettem fel, melyekkel különböző lehetőségeket nyitottam.

Csináltam energetikai testkezelést a bokáján, és, mivel beismerten ő egy alkimista a testével, elkezdte elmozdítani a dolgot az elméjében és a testében is.

Mi a jó ebben, amit nem veszek észre?
Mi a tanulság itt?
Mi van vele?
Milyen energia, milyen térűr, milyen tudatosság, és milyen választás lehetek, és mit mozgósíthatok, ami itt többet teremt?
Mi lenne, ha hajlandó lennék úszni az árral és valóban megengedni, hogy az EGÉSZ élet könnyedén, örömmel és ragyogva érkezzen el hozzám?
Felgyorsítaná ez a gyógyulást? Eltörölné a drámát és a fájdalmat?

Érdekes, hogy a jövőbeli kivetítéseink el tudnak vinni minket az úton a hibáztatás, szégyen, sajnálat és bűntudat felé, amikor nem úgy alakulnak a dolgok, ahogy számítottuk….

Ezek azok a módok, ahogyan eltérítjük magunkat attól, hogy a jelen pillanatban éljünk és haladjunk előre és teremtsünk többet, nem számit bármi történjen is.

A mi nézőpontunk vagy perspektívánk az, ami teremti a valóságot, amit élünk?
Megengedjük a kivetítéseinknek és elvárásainknak, hogy befolyásolják, hogyan látjuk a világot és az életünket?
Hajlandóak vagyunk mindig az élet naposabb oldalát nézni, nem számit, hogy mi jelenik meg az életünkben?
Tudunk egyszerűen csak hálásak lenni, azért, hogy még életben vagyunk és lehet nézőpontunk?



Igazából ez csak egy választás.

***


Destino ou escolha? Tudo depende de você.
Por Kass Thomas

Eu tive um déjà vu. Quando cheguei em casa, em Roma, no final de julho - depois de dois meses de viagem e trabalhando muito - fiquei super empolgada ao começar uma jornada de um mês com meu marido, tendo alguma facilidade, alegria e glória juntos. F-É-R-I-A-S!

A última vez que passamos tanto tempo juntos foi na primavera deste ano. Logo antes da Páscoa, cheguei em casa realmente ansiosa para uma viagem de 7 semanas com ele. Nosso plano era ter 10 dias em Roma e depois viajar para a África do Sul em safári por duas semanas para celebrar nossos primeiros 20 anos de casamento.

Desta vez, em agosto, nosso plano era ficar na Itália e curtir esse estilo de vida italiano: divertir-se em Roma com os amigos, antes de ir para o litoral jogar tênis e curtir um pouco com a família e ir todos os dias para a praia juntos .

O que você sabe sobre projeções e expectativas?
Permitimos que eles nos conduzam pelo caminho da separação, julgamento e rejeição?

Na última vez, na primavera, no meu primeiro dia em casa, fizemos um passeio de moto pela manhã através de Roma. É chamado de "Passeio Romano". Então meu marido saiu para jogar tênis à tarde e nós tínhamos planejado uma noite de "Passeio Romano" mais tarde naquele dia. Os melhores planos ...

Em vez de sair em um passeio noturno como planejado, ele chegou em casa com dor e ficou bloqueado no sofá com uma bolsa de gelo na panturrilha direita. Ele machucou a perna enquanto jogava tênis. Opa! Ele foi por duas ou três ultrassonografias e, finalmente, descobrimos que o que eles tinham diagnosticado originalmente como um músculo puxado acabou por ser uma trombose venosa. Isso impediu que ele pudesse viajar de avião por dois meses.

Então, nós tivemos que cancelar nossa viagem de aniversário para a África do Sul. Sem safári, sem férias. Foram sete longas semanas de nervosismo e medo sobre a veia causando uma parada cardíaca e talvez matando-o. Felizmente, isso funcionou bem: ele não morreu e agora a trombose venal desapareceu.

Desta vez, 3 meses depois, o marido estava jogando tênis, pois meu voo aterrisava em Roma. Nosso plano era que ele terminasse de jogar, parasse para pegar algumas guloseimas para o jantar e chegasse em casa a tempo de me encontrar com um pouco de peixe fresco e vinho branco italiano gostoso - a maneira perfeita de celebrar o início de nossas férias de verão juntos no nosso lindo jardim. Nós jantamos, tudo bem, isso é um dado na Itália, mas não era exatamente o que esperávamos.

Pra você ver, ele chegou em casa um pouco mais tarde do que o esperado, não porque ele tinha parado para pegar alguma coisa para o jantar, mas porque ele havia passado uma hora no vestiário do clube de tênis com uma bolsa de gelo no tornozelo. Ele havia torcido o tornozelo da sua perna esquerda. Ele passou os próximos dias ocupado tentando marcar uma consulta para uma ultrassonografia.

Naquela primeira noite em casa, enquanto eu estava colocando gelo em seu tornozelo, eu estava exausto, e ele estava com DOR, TRISTE e IRRITADO.

Digamos que não foi exatamente o começo das férias que estávamos antecipando.

Nós começamos a lembrar no verão passado, quando ele teve uma situação semelhante, durante as nossas férias juntos em agosto na beira-mar. Ele estava jogando tênis e sofreu uma lesão no tornozelo, e teve algumas semanas de dor e sofrimento. Na verdade, tivemos que cortar nossas férias.

Essa memória nos leva a outras memórias. Lembrei-me de nossas primeiras férias juntos, mais de 20 anos antes, quando eu ainda morava em Nova York. Antes de entrar no avião para vir me ver, ele se machucou e veio para Nova York mancando de muletas!!! Ele também começou a se lembrar de outras ocasiões em que seu tornozelo ou perna se machucou durante as férias.

Hmmmm. Estávamos percebendo um padrão aqui ou estávamos alimentando o incêndio do drama e do trauma?

É tão interessante como começamos a voltar ao passado, compilando dados para chegar a uma decisão: talvez férias juntos não seja uma ideia tão saudável.

O engraçado é que isso não é sobre mim. Onde ele está na equação? Ele é o único que sofre, e tudo o que consegui pensar nesses 10 segundos durante aquela primeira noite em casa foi "POR QUE EU?".

Respire fundo e conte até dez.

Na manhã seguinte, graças à minha natureza positiva, meus anos vivendo na pergunta e trabalhando com as ferramentas da Access Consciousness, e, vamos encarar isso, uma boa noite de sono, começamos com um pé diferente, sem trocadilhos.

Eu também (finalmente!) comecei a usar as ferramentas do Access e fazer muitas perguntas e abrir algumas possibilidades diferentes.

Fiz um trabalho corporal energético no tornozelo e, como ele é reconhecidamente um alquimista com seu corpo, ele começou a mudar as coisas também na mente e depois no corpo.

Eu fiz estas perguntas:
"O que é certo sobre isso que eu não estou recebendo?"
"Qual é a lição aqui?"
"E sobre ele?"
“Que energia, que espaço, que consciência e que escolha eu posso ser e engajar, que criará mais aqui?”
"E se eu estivesse disposto a ir com o fluxo e realmente permitir que TUDO na vida venha a mim com facilidade e alegria e glória?"
“Isso aceleraria a recuperação? Ou eliminaria o drama e a dor?

É tão interessante como as projeções futuras podem nos levar a um caminho de culpa, vergonha, arrependimento e culpa quando isso não acontece como esperamos...

Estas são todas as maneiras pelas quais estamos nos distraindo de viver no momento presente e avançar e criar mais, não importando o que aconteça.

É nosso ponto de vista, nossa perspectiva, que cria a realidade em que vivemos?
Permitimos que nossas projeções e expectativas influenciem como vemos o mundo e vivemos nossas vidas?
Estamos dispostos a sempre olhar para o lado positivo da vida, não importa o que se manifeste em nossas vidas?
Podemos simplesmente ser gratos que ainda estamos vivos e capazes de ter uma perspectiva?

É realmente apenas uma escolha.




#kassthomas 

#7steps 
#createanewreality
#life
#change
#choice

#betterlife 

#nevergiveup 
#makeithappen 
#courage